https://www.google.com/adsense/new/u/0/pub-3159886379608766/home Pega o Mapa!: A metade do contrato

domingo, 28 de agosto de 2016

A metade do contrato

Eu moro num navio. Não tenho janela. Meu quarto não tem mais de 8 metros quadrados e ele não é só meu. Minha cama é a de cima e as vezes quase caio quando acordo sonolenta. Mas toda vez que acordo, estou num lugar incrível. Você já foi dormir no Alaska e acordou no Canadá? Ou até mesmo foi tomar café da manhã e deu de cara com uma geleira enorme de paisagem? Eu faço isso toda semana e acredite, é único.

Eu trabalho em pé, cerca de 12 horas por dia. Os pés doem, as pernas doem, as costas doem, e os horários de descanso não são suficientes pro corpo se recompor, embora ele já tenha se habituado. Mas tem dias em que só trabalho por 3 horas, e posso usar as outras horas pra fazer algum tour incrível, porque sim, os tours aqui são incríveis! Na hora em que estou dentro de um helicóptero, ou no alto de uma montanha cheia de neve, ou até mesmo dentro de uma caverna de gelo, exatamente dentro de uma geleira, eu não me lembro de nenhuma dor. Você já pisou numa geleira e ouviu o barulho do gelo trincando embaixo dos seus pés? É surreal!


Eu estou longe. Da minha família, dos meus amigos, das pessoas que amo. E vou continuar longe por mais 3 meses. A saudade aperta porque todos continuam vivendo as suas vidas e eu não estou lá para os almoços de domingo, pro aniversário da afilhada, pra uma cerveja depois do trabalho, pras festinhas de sexta à noite. Mas eu fiz amigos aqui, e esses amigos também tem as suas saudades. Também saímos do trabalho direto pro bar, e falamos sobre a vida, choramos nossas pitangas, dançamos salsa nas festas latinas e bebemos de graça quando somos amigas do bartender. Fazemos planos que amigos fazem juntos, mas nossos planos têm data e porto. E sabemos que, muito provavelmente, não nos veremos 5 mais depois que esse contrato acabar. Nos despedimos dos amigos com uma frequência maior do que gostaríamos, mas nos apegamos mesmo assim. E depois desapegamos, porque a vida no navio é assim.

Conhecemos passageiros do mundo todo e todo mundo tem algo a dizer. Já conversei com um russo sobre os anos de comunismo, com um saudita sobre os investimentos pra próxima Copa no Qatar, com uma polonesa sobre a influencia da igreja na politica e com uma americana sobre menopausa. A conversa é parte estratégica da venda, mas às vezes é só um bate papo mesmo, porque amo conhecer pessoas diferentes e o navio me proporciona isso. Tenho hóspedes que compram uma vez, mas voltam todo dia só pra bater papo, pra me contar que o casamento vai mal e que ela ama outro, pra me dar dicas do que fazer no Havaí, pra me contar que a viagem é pra comemorar a cura do câncer da irmã e me dizer que amaram a bolsa nova que comprara comigo. E é maravilhoso quando eles passam no último dia só pra se despedirem. A cada 7 dias conheço novas pessoas incríveis.

No meus intervalos, dou uma passada do lado de fora do navio só pra ver o mar... quando você olha praquela imensidão de água sem fim, pensa na vida, e se lembra de porque veio morar num navio. E no meio da sua distração, aparecem golfinhos, ou uma baleia... 

Uma das coisas que acho interessante é a forma como a gente valoriza coisas mínimas: um simples pedaço de pizza que a gente ganha nos faz felizes como se estivéssemos comendo a melhor comida do mundo! Abrir as lojas 15 minutos mais tarde é como se fosse um prêmio! A vida a bordo é muito regrada e exige muita disciplina, não é para todo mundo. Ou você ama, ou odeia, não há meio termo.

Este mês teremos a chance de ver a aurora boreal, se ela acontecer. Em menos de um mês iremos para Califórnia, e São Francisco será (novamente) sensacional! Em dois meses iremos para o Havaí e Austrália. É tudo muito incrível e, às vezes, parando pra pensar, acho a gente meio louco até... Três meses a bordo e eu estou exatamente onde deveria estar. 

3 comentários:

  1. Que texto maravilhoso Carol! Acho admirável sua coragem de "abandonar" tudo mas pelo que tenho visto está valendo muito a pena. Espero que os próximos três meses sejam tão incríveis como foram os três primeiros. Daqui fico torcendo (e babando nos passeios kkkkkk) muito por você. Aproveitaaaaaa muitooooo

    ResponderExcluir
  2. Ai fico admirada com sua coragem amiga! Adoro ler seus posts, nossa me sinto ai, do seu lado! Curta muito toda esta experiência. Beijos mil. Luzi!!

    ResponderExcluir
  3. Carol, você não sabe o quanto eu fico feliz por você poder viver tudo isso! Sinto muitas saudades, mas sei que seu lugar é pelo mundo! Adoro ler seus posts, escreva mais! Amo você! Beijos

    ResponderExcluir