https://www.google.com/adsense/new/u/0/pub-3159886379608766/home Pega o Mapa!: A vida nas lojas

quinta-feira, 7 de julho de 2016

A vida nas lojas

O trabalho nas lojas é visto pela maioria da tripulação como um trabalho “mais tranquilo”, então  venho aqui com a missão de contar pra vocês que NÃO É BEM ASSIM, AMIGUINHOS e falar sobre os prós e contras da vida dessa galera que ganha mal, trabalha cerca de 13 horas por dia, em pé, carrega muitas caixas pra cima e pra baixo e tá sempre linda e bem arrumada.  Nós, os lindos do shopping.


Todo dia 1 do cruzeiro (o turnaround), recebemos não só novos hóspedes, mas também novas cargas, que são nosso estoque. Nesse dia nós trabalhamos igual cachorro. Geralmente são 20 pallets de carga que precisa ser despaletizada, carregada em troilers e levadas ao armazém, onde ficamos por horas pra tentar fazer tudo caber da forma mais ordenada possível. A gente carrega muita caixa, se machuca, fica roxa, as pernas doem, as costas doem, no final do dia estamos acabadas, mas maquiadas e lindas, porque precisamos abrir as lojas. É um dia de porto, mas não saímos. Não dá tempo. 

Para todos os outros dias, os horários vão de acordo com a programação do navio: se dia de porto, trabalhamos depois que ele desatraca, se dia de mar, trabalhamos o dia inteiro, por cerca de 13 horas com duas pausas pra refeições. Fechamos a lojas e arrumamos tudo para que tudo esteja pronto para dia seguinte. 

Nas pausas dos dias de mar estamos sempre exaustos, a maioria de nós dorme. Eu durmo nem que seja um cochilo zumbi de 30 minutos. Há quem deixe de comer para dormir (não é o meu caso). Nos dias que antecedem dias de porto, vamos para o bar. É importante ir para o bar mesmo que você não beba. Ir para o bar mantém a sua saúde mental na vida a bordo. Também têm aqueles dias em que vamos só por meia horinha, só pra respirar ar fresco (o deck é aberto). E tem dias que está lindo, porque no Alaska o sol se põe muito tarde e nasce muito cedo. Dia desses começou a nascer às três e meia da amanhã todo mundo ficou meio “gente, o que tá acontecendo aqui?!” Foi lindo! Nessas horas você esquece o cansaço e sorri por estar vivendo algo tão único. As noites são sempre felizes no bar.

Os pés e pernas doem todos os dias. Doem mesmo e doem muito. Tênis e palmilhas ortopédicas são essenciais, mas eles vão doer mesmo assim e aprendemos a lidar com isso. E como se não bastasse a rotina de 13 horas em pé, num dia de porto ainda fazemos uma trilha na montanha! Temos que cuidar muito do nosso corpo aqui, porque honestamente exigimos muito dele.

Ganhamos mal, muito mal. Ganhamos 1 terço do que um cargo que tem uma jornada similar a nossa ganha na Royal (já expliquei que sou terceirizada e a minha contratante é a Starboard, ne?!) Mas então, por que trabalhar nas lojas e não em qualquer outro departamento da Royal? Porque nós (shopping) temos uma coisa que nenhum outro departamento tem (exceto o pessoal das excursões) que é a chance de ter um dia inteiro de folga em dia de porto.

Funciona assim: todos os departamentos da Royal têm a sua escala de trabalho, independente de se aquele dia é um dia de mar ou de porto. O pessoal do “guess services”, que é o atendimento aos hóspedes, por exemplo, também trabalha cerca de 13 horas por dia, também trabalha em pé o dia inteiro, mas ganha 3 vezes mais. Em contrapartida, eles tem apenas 3 horas de folga por dia, enquanto que nós temos um dia inteiro, caso esse dia seja de porto.

É importante ressaltar essa diferença, porque ela é determinante no quesito “o que você espera da vida a bordo?” Se você espera ganhar e guardar dinheiro, existe essa opção. Se vocês não se importa em ganhar menos mas quer ter a oportunidade de, por exemplo, fazer um passeio de helicóptero e depois estar em um trenó puxado por huskies no topo de uma montanha coberta de neve, também existe essa opção. 
Em resumo, trabalhamos tão duro quanto os outros departamentos, mas ganhamos menos. Em contrapartida, temos TEMPO nos dias de porto, e isso é valiosíssimo. É claro que eu adoraria ganhar mais dinheiro, mas quando vejo algumas pessoas correndo porque só têm 3 horas num porto pra fazer qualquer coisa, tenho o sentimento de que todo o trabalho duro vale a pena. E eu sei também que essas pessoas fazem as 3 horas valerem, e no final do mês têm uma boa quantia pra enviar pras suas famílias, como muitos fazem. Como tudo na vida, escolhas.

A pressão para que batamos as metas existe e as metas são praticamente “imbatíveis” (e todos sabem disso). Já estamos no sétimo cruzeiro para o Alaska e batemos a meta em apenas 1, por pura sorte, porque uma hóspede riquíssima resolveu comprar muitos diamantes aquela noite. Mas embora não batamos as metas por cruzeiro, ao menos conseguimos alcançar as metas diárias, que são mais razoáveis. Consigo na maioria das noites.

As lojas da Royal são 6:
- jóias e relógios
- óculos e bolsas (mais caras)
- semi-jóias e bolsas (mais baratas)
- perfume e maquiagem
- bebidas
- souvenirs

Além das lojas, montamos as mesas com as promoções na “rua” entre as lojas (aquela da foto do post anterior, a Royal Promenade). Ali vendemos de tudo. Uma das promoções é a de “qualquer coisa por 10 dólares”. Quando da a hora dessa promoção e liberamos as mesas, toda a civilidade contida nos hóspedes se dissipa e a Promenade vira um ringue onde os fracos não tem vez. É bizarro e assustador. É homem primata capitalismo selvagem.

Fiquei por duas semanas na loja de souvenirs e odiei com todo meu coração. A loja é muito grande, vende muita “coisinha”, o que torna impossível de se manter organizada, e quem trabalha lá fica presa no caixa atendendo hóspede atrás de hóspede, não dá tempo nem de beber água. Pedi porfavorzinho ao meu gerente que me deixasse ir pra outra loja. Graças a Deus ele me tirou de lá e fiquei nas promoções por 1 semana. É bem dinâmico e divertido. Depois, a responsável pela loja de semi-jóias saiu de férias e passaram pra mim (feliz estou). Vendo joias lindas e quero comprar todas. Lá tenho tempo com os hóspedes e posso de fato atende-los, mesmo que a loja esteja cheia. Tenho conhecido pessoas maravilhosas. Nosso gerente tem um perfil de mudar as pessoas de lugar, então tudo pode acontecer...

As lojas precisam sempre estar impecáveis. O capitão, inclusive, me visita uma vez por semana. Ele é muito tranquilo e gente boa, vai lá pra bater papo, mas sei que ele vai mesmo é pra ver quão arrumada e limpa está a loja. Ele visita todas. Temos que limpar todas as prateleiras e gostaria de informar que aquela piada de tiozão de que não existe poeira em alto mar está a partir de agora CANCELADA. Geralmente termino o dia cheirando a vidrex.

Estou indo pro segundo mês e agora tudo começa a melhorar. Acostumei com a rotina, com o cansaço e com o ritmo. Conheço melhor meus produtos então consigo vender melhor. Gosto da comida e aprendi a andar pelo navio. A vida ta boa.

O time é bom, somos em 12 mulheres, 3 homens, 2 assistentes de gerente (mulheres) e 1 gerente (homem). Brasil, Peru, Chile, México, Jamaica, Inglaterra, Irlanda, Romênia, Croácia, Eslovênia, Botswana e Austrália. Praticamente todos se gostam (risos) e trabalhamos em sintonia porque as lojas e suas respetivas vendas são interligadas pra gerar um resultando único, aquele que a gente nunca consegue bater a não ser que alguma rica surte nos diamantes. Mas tamo aí, pés doendo e ansiosos pelo próximo dia de porto. Nós, os lindos dos shopping.

5 comentários:

  1. Você é a única que posta textão e eu leio (e adoro!) hahahaha! Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Agora você sabe exatamente o que eu passava nos meses de dezembro do Shopping Vitória. Pernas, para que te quero né, baby? Kakaka beijos e saudades.

    ResponderExcluir
  3. Oi minha linda! Li todos os seus posts pra sua avó. Ela adorou e elogiou a sua linguagem espirituosa. Disse que vc (como ela sempre fala e eu assino embaixo) é uma menina realmente especial! Mandamos mil beijos!

    ResponderExcluir
  4. Oi minha linda! Li todos os seus posts pra sua avó. Ela adorou e elogiou a sua linguagem espirituosa. Disse que vc (como ela sempre fala e eu assino embaixo) é uma menina realmente especial! Mandamos mil beijos!

    ResponderExcluir