https://www.google.com/adsense/new/u/0/pub-3159886379608766/home Pega o Mapa!: PERU 2 - Lima: primeiras impressões

domingo, 1 de novembro de 2015

PERU 2 - Lima: primeiras impressões

Lima é a capital do país, e como tal, muito bem estruturada. Nosso voo chegou às 22:30h e a primeira impressão já foi ótima: o aeroporto é grande e moderno, bem superior aos nossos! Já trocamos alguns dólares pelo novo sol e fomos procurar um taxi pra nos levar ao albergue. O taxista não falava inglês, então esse foi o começo da nossa divertida saga (não falamos espanhol, então você já pode imaginar o quanto nos divertimos com o nosso portunhol ridículo). Durante o caminho, vimos uma Lima bem moderna na via expressa e nas propagandas dos outdoors (inclusive, a Claro deve ser dona de metade do país!) Mas que Lima também é a capital de um trânsito caótico, com gente louca atrás dos volantes, a gente só foi descobriu no dia seguinte!

Nosso albergue era em Miraflores (como deve ser, porque este é o bairro turístico e lá que se deve ficar). A entrada de Miraflores fica de frente pro Oceano Pacífico, que já é uma vista incrível por si só. Mas o curioso é que a cidade não está no nível do mar, então de frente pro mar não se vê a cidade e sim o imenso barranco.


A entrada de Miraflores é super charmosa e fica notório de que aquele é o bairro nobre da cidade. Mais tarde conhecemos os outros bairros nobres ao entorno de Miraflores.
(Essa ornamentação onde se escreve na grama é extremamente utilizada em Lima, mas não só como usamos aqui, na frente dos prédios. Lá é uma espécie de "mídia", como um outdoor fazendo propaganda de empresas privadas, espalhadas pela rodovia.)







Durante a subida, notamos algumas placas que indicavam a rota de evacuação no caso de um tsunami. O Peru nunca sofreu um tsunami, mas é frequentemente ameaçado por terremotos. Há que diga que eles registram terremotos diariamente, mesmo que numa escala imperceptível. Em 2007 o Peru sofreu um terremoto fortíssimo, onde algumas cidades tiveram que ser reconstruídas. Vimos que muitos pontos turísticos tiveram "restauração após o terremoto" e em todos os lugares, sem exceção, há "zonas de segurança" para um caso de terremoto. É, em geral, um país preparado pra esse evento, embora o de 2007 tenha causado muitos danos que não foram reparados até hoje.
                                                               

Nosso albergue foi o Che Lagarto, que não é ruim mas não é limpo. E depois que conhecemos a rede Pariwana (nosso albergue em Cusco), é esse que eu recomendarei pro resto da vida, rs. Já fiquei em alguns albergues por aí e o Pariwana é de longe o mais incrível que conheci! Mas voltando ao Che Lagarto... ele é bem localizado e dividimos o quarto com pessoas tranquilas, entre eles 3 venezuelanos que foram uns amores conosco! 
    (a alameda onde está o hostel)

Como o café da manhã do albergue era ruim (ruim mesmo, tá! Leite gordo, cereal horroroso, café ralo... a única coisa boa era a banana, que tinha gosto de banana) os meninos preparavam um café da manhã venezuelano.
(Uma sopinha com ovo e tempero verde, gostosa. Um pãozinho chamado "arepa", feito com milho. Não gostei muito, mas com coisa dentro dá pra comer).

Lima tem um clica gostoso, um friozinho ensolarado. Devido à sua posição geográfica (cercada de um lado pelo mar e do outro por montanhas) as nuvens acabam se condensando de tal forma que raramente chove, mesmo se o tempo estiver muito fechado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário