segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Adeus, Alaska!!

O Alaska acabou!! FINALMENTE! Foi bonito, foi! Foi intenso, foi! Foram 17 cruzeiros de tudo que nunca imaginei fazer na vida e de muito, muito trabalho!

Alaska foi lindo...
 

Adeus, Alaska!!

O Alaska acabou!! FINALMENTE! Foi bonito, foi! Foi intenso, foi! Foram 17 cruzeiros de tudo que nunca imaginei fazer na vida e de muito, muito trabalho!

Alaska foi lindo...
 

domingo, 28 de agosto de 2016

A metade do contrato

Eu moro num navio. Não tenho janela. Meu quarto não tem mais de 8 metros quadrados e ele não é só meu. Minha cama é a de cima e as vezes quase caio quando acordo sonolenta. Mas toda vez que acordo, estou num lugar incrível. Você já foi dormir no Alaska e acordou no Canadá? Ou até mesmo foi tomar café da manhã e deu de cara com uma geleira enorme de paisagem? Eu faço isso toda semana e acredite, é único.

Eu trabalho em pé, cerca de 12 horas por dia. Os pés doem, as pernas doem, as costas doem, e os horários de descanso não são suficientes pro corpo se recompor, embora ele já tenha se habituado. Mas tem dias em que só trabalho por 3 horas, e posso usar as outras horas pra fazer algum tour incrível, porque sim, os tours aqui são incríveis! Na hora em que estou dentro de um helicóptero, ou no alto de uma montanha cheia de neve, ou até mesmo dentro de uma caverna de gelo, exatamente dentro de uma geleira, eu não me lembro de nenhuma dor. Você já pisou numa geleira e ouviu o barulho do gelo trincando embaixo dos seus pés? É surreal!

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Mendenhall Glaciar, Juneau - Alaska

Eu achei que andar de helicóptero e pousar no alto de um montanha coberta de neve tinha sido a coisa mais fantástica que eu fiz nesse Alaska, até aparecer o Mendenhall...

A geleira de Mendenhall (Mendenhall Glaciar) fica na cidade de Juneau, capital do Alaska, e tenho ela numa foto linda, no calendário pendurado na minha cabine. “Gente, como faz pra ir nesse lugar da foto?”. Pegamos 40 minutos de ônibus, depois mais 20 de caminhada, e chegamos no cenário maravilhoso do meu calendário: uma praia com uma cachoeira à direita e a geleira ao fundo. 

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

JUNEAU

Estamos na viagem 12 para o Alaska, faltam apenas mais 5, e até agora não escrevi sobre o primeiro porto em que o navio atraca: Juneau. O principal motivo é que Juneau é meio dia de mar, meio de porto (atracamos às 11 da manha), então geralmente trabalhamos até umas 2 da tarde. Mas quando podemos finalmente sair, sempre tem algum coisa pra fazer. 

Juneau é a capital do Alaska, e a terceira cidade mais populosa do Estado (mas não se empolguem, porque as cidades são todas pequenas). É uma ilha, então só pode ser acessada por mar ou ar. O difícil acesso, obviamente, encarece o custo de vida da cidade, que sobrevive do turismo e da pesca. Por outro lado, fortalece o turismo, principalmente o mercado de cruzeiros. Segue um mapa pra quem tá perdido no Alaska. 

quinta-feira, 7 de julho de 2016

A vida nas lojas

O trabalho nas lojas é visto pela maioria da tripulação como um trabalho “mais tranquilo”, então  venho aqui com a missão de contar pra vocês que NÃO É BEM ASSIM, AMIGUINHOS e falar sobre os prós e contras da vida dessa galera que ganha mal, trabalha cerca de 13 horas por dia, em pé, carrega muitas caixas pra cima e pra baixo e tá sempre linda e bem arrumada.  Nós, os lindos do shopping.

sábado, 2 de julho de 2016

Sobre os hóspedes a bordo

O trabalho em um cruzeiro me permite fazer uma coisa que adoro: observar pessoas. Sempre faço isso em locais públicos, tipo shoppings e aeroportos, porque observar como as pessoas se comportam quando acham que ninguém está olhando é muito divertido!

A cada cruzeiro, temos cerca de 25 nacionalidades de hóspedes, e como se não bastasse essa loucura cultural, tem gente de tipo: nova, velha, casal, gente que viaja sozinha, excursão de 40 pessoas, famílias inteiras, enfim, de tudo mesmo! A maioria deles fala inglês, bem ou mal, mas existem alguns poucos que não falam nada. Quando são hispânicos, têm sorte porquê a grande parte da tribulação fala espanhol. Já quando são orientais, vai na mímica mesmo...

quarta-feira, 22 de junho de 2016

TRACY ARM FJORD

Vamos falar então sobre Tracy Arm Fjord, o lugar que todos nós achávamos que seria um dia de porto, mas foi pegadinha do malandro! Mas, sendo honesta, é uma pegadinha única de se ver, e muito, muito linda!

Tracy Arm faz parte de um trio de fiordes: Tracy Arm, Endicott Arm e Fords Terror (sente o drama do terror). Dos 3, Tracy Arm é o mais extenso e famoso. Os fiordes são esses braços do mar que entram no continente, e na outra extremidade ficam as geleiras. No caso do Tracy Arm, a geleira vai até o Canadá! No mapa abaixo, marquei a seta onde o navio entra e o caminho que percorre até o X, que é a geleira.

terça-feira, 21 de junho de 2016

Trilha em Skagway

Alguns passeios nos Alaska rompem totalmente com a imagem pré concebida que temos daqui, como aquele lugar frio e cheio de neve. Em Skagway, fizemos uma trilha na montanha Denwey, que além da paisagem verdíssima, tem um lago maravilhoso no alto da montanha!

São quase 2 horas de caminhada até o Lower Denweu Lake, e nos 20 primeiros minutos de subida eu já estava me arrastando morro acima (isso porque o nome do lago indica que ele é o “de baixo”, então imagina o “de cima”). Sedentarismo na veia. Paramos no primeiro lago, que é lindíssimo!

segunda-feira, 13 de junho de 2016

O primeiro mes a bordo

Um mês de navio, e preciso dizer que aqui o tempo voa! Tempo, que por sua vez, é um conceito bem diferente, porque a bordo não faz diferença se hoje é segunda ou sábado, se é dia 5 ou dia 25. Aqui é assim: cada cruzeiro dura 7 dias, e dividimos os dias em dia de porto e dia de mar. Nos dias de porto temos folga durante o dia (exceto os casos em que precisamos repor estoque e fazer algum curso).  Nos dias de mar, trabalhamos cerca de 13 horas, com 3 horas de pausa pra comer. Todos abrimos e todos fechamos as lojas, as escalas são apenas para o almoço e jantar. Independente do dia (se de porto ou mar), nós trabalhamos a noite. Em dias de porto, o navio desatraca por volta das 18 ou 20 horas,  e quando ele deixa o porto temos que trabalhar. Vamos até meia noite, geralmente. 

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Helicóptero e Dog Sleding

Pensem numa coisa que eu nunca imaginei fazer? Tipo assim andar num trenó, na neve, puxado por huskies fofos e alucinados por corrida. Adicionem a isso um passeio de helicóptero pelas montanhas cobertas de gelo, e pousar no alto de uma dessas montanhas. Pois é, esse dia foi louco!

O passeio de helicóptero em Skagway dura incríveis 30 minutos, sobrevoamos parte da floresta e das montanhas cobertas de neve. Conseguimos ver lagos congelados e muita, muita neve.

Pousamos no “acampamento” dos huskies e se, como eu, você também não apoia turismo que envolva animais sendo explorados, fique tranquilo! Os cachorros são extremamente bem tratados e o negócio deles é correr. Eles ficam visivelmente alucinados pra puxar o treno e são extremamente fofos e MUITO fortes!

Ainda não sei descrever o que foi aquilo...






Aproveitando pra agradecer os comentarios lindos e fofos, que eu leio todos mas nao consigo responder nenhum por motivos de sou pobre e a internet é cara. Nao desistam de mim...






quinta-feira, 2 de junho de 2016

SKAGWAY

Skagway é uma cidadezinha simpática no sudeste do Alaska, com uma vida baseada em turismo e venda de jóias (acredito eu que principalmente para turistas).

É bastante visitada, incluída nas rotas dos cruzeiros, e sua principal atração é o passeio de trem pela rota do ouro de White Pass & Yukon, embora exista também várias outras opções para os turistas mais aventureiros, tipo canoagem, aluguel e passeio de moto, rafting, passeio a cavalo e coisas do tipo.  A maioria dos turistas chega aqui por navios, também tem aqueles que viajam de carro, cidade mais próxima fica a aproximadamente 2 horas de distância.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Alaska!

O Alaska será a principal rota do navio durante o meu contrato (o contrato vai de Maio a Novembro, e o Alaska de Maio a Agosto). Parece ser um destino um tanto quanto inóspito, mas esse é só mais um erro comum de quem mora em clima tropical, porque de inóspito o Alaska não tem é nada! É incrivelmente lindo, principalmente no verão. 

Lembrando aos esquecidos que o Alaska é um estado dos EUA, então nesse roteiro fazemos o último porto dos EUA (Seattle), passamos pelo Canadá, e chegamos no Alaska (EUA novamente). O cruzeiro tem saída de Seattle e dura 8 dias com as seguintes paradas:
- Juneau
- Skagway
- Tracy Arm Fjord
- Victoria
- Seattle

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Primeiros dias a bordo 3

Terminando esses posts iniciais sobre as primeiras impressões no navio, posso dizer que:

- Tem dias que o mar está tão sereno que você até esquece que está num navio. Já em outros dias, é mais difícil dormir por causa do barulho das ondas batendo (lembrem-se que tô no deck 1) e com ele balançando. Nos dias que balança mais, fico meio tonta o dia inteiro. Ainda não passei mal, mas já quase caí por causa da tonteira (além de tonta eu fiquei meio lesada, rs).

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Primeiros dias a bordo 2

O segundo dia já começou corrido, meu treinamento era as 9 da manhã mas eu confundi com o horário da loja, 09:30. Eram 09:15 e eu já estava atrasada. Saí da cabine às pressas e honestamente não sabia nem pra onde ir. Depois de 5 minutos perdida pelos labirintos dessa matrix, um colega tentou me ajudar a chegar no treinamento, e também se perdeu.

Quando nos achamos, já era 09:40 e a sala estava vazio, então descobrimos que o treinamento havia sido cancelado (eu tenho muita sorte mesmo!).  Voltamos pra loja, que estava fechada pois estávamos atracados. Começamos a organizar os produtos quando, de repente, o alto falante chama:
- BRAVO BRAVO BRAVO, DECK 5 ZONE 1.
- BRAVO BRAVO BRAVO, DECK 5 ZONE 1.
- BRAVO BRAVO BRAVO, DECK 5 ZONE 1.

Primeiros dias a bordo

Primeiro dia, sair do hotel, seguir pro porto e me despedir, por enquanto, de Seattle. Peguei o transporte do hotel e em 15 minutos já dava pra ver o quão lindo era o meu navio. O Explorer of the Seas tem 15 decks (andares) e capacidade para uns 3800 passageiros e 1180 tripulantes. Chegamos no porto, passei pela área de segurança reservada à tripulação e aguardei por alguém que iria me buscar. O responsável pela segurança era da “ex União soviética” como ele mesmo se apresentou e vestia o emblema da segurança norte-americana no braço, o mundo é mesmo muito louco! Ele já morava aqui há quase 20 anos, era divorciado e não tinha filhos. Todas as malas ficam naquela área até o término dos embarques, quando são levadas ao navio onde cada tripulante deve buscar a sua. Pedi para levar a minha mala de mão comigo, “é praticamente tudo o que me resta”, brinquei. E ele com uma cara de pena respondeu: “pode levar, não queremos que você perca essa também.”

ALO ALO MINHA MALA EXTRAVIOU!

Existe primeiro vez pra tudo: o primeiro beijo, o primeiro dia de trabalho, o primeiro coração partido, o primeiro extravio de mala. Mas na verdade, ela não foi extraviada (assim disseram), ela só não voou junto comigo. Ela e mais 28 malas, ou seja, um carro inteiro ficou esquecido em Atlanta. Depois que quase 15 horas de voo, encontro uma Seattle muito fria! O fuso horário foi uma maravilha, porque cheguei de tarde, então terei o resto do dia pra nao fazer nada e fazer várias coisas! 

terça-feira, 10 de maio de 2016

Aquela contagem regressiva

Quando você diz que irá trabalhar num navio de cruzeiro, e que ficará, no mínimo, 6 meses embarcada, geralmente as reações são:
1 - você é louca!
2 - você não tem medo?
3 - pra onde você vai?


sexta-feira, 6 de maio de 2016

Ela: a data!

Depois de tudo o que você sofreu, tudo o que gastou, de toda a ansiedade durante o processo, agora você sabe que está tudo certo e falta apenas aguardar por ela: A DATA DE EMBARQUE.

Muitas pessoas conseguem conciliar todo esse processo com um emprego. No meu caso, foi impossível, porque trabalhava longe do Rio de Janeiro e em uma empresa onde não era muito fácil faltar. Se você, como eu, já tiver largado o seu emprego por conta do embarque, essa é a hora de colocar todas as suas séries em dia, inventar uns artesanatos, correr na praia, enfim, fazer qualquer atividade que te ajude a não morrer do famoso mal da ansiedade e ter um pequeno ataque cardíaco toda hora que chega e-mail.


quarta-feira, 4 de maio de 2016

Exames Médicos

Depois que você já gastou tudo o que não poderia ter gasto e não aguenta mais esperar pela data de embarque, eis que é chegada a hora de fazer os exames médicos.

Eles custam entre 600 e 900 reais e não são reembolsáveis (hahaha, é rir pra não chorar). São feitos em clínicas específicas para tripulantes de navios e aviões, logo, não podem ser feitos em qualquer cidade. Estas clínicas não aceitam plano de saúde, nem lágrimas.

Os exames são simples como qualquer exame admissional: raio x do tórax, exame de vista (caso usar óculos, leve-os) conversa com o médico e coleta de sangue e urina. Migos, cuidado com as dorgas!

"meu amigo mandou perguntar se..."